quarta-feira, 29 de julho de 2015

EDITORIAL: O IMPACTO DA CORRUPÇÃO



Começam a ser medidos, também pelos indicadores econômicos, os danos da corrupção e das investigações decorrentes da identificação de seus protagonistas, em especial as grandes empreiteiras. Sabe-se, por informações do próprio governo, que a participação dos efeitos da Operação Lava-Jato na economia pode chegar a um ponto percentual negativo no PIB deste ano, o que não é pouco em nenhuma economia. É o custo a ser pago pelas tentativas bem-sucedidas até aqui da polícia, do Ministério Público e da Justiça, no sentido de depurar as relações do governo com prestadoras de serviços e dessas com políticos dos mais variados partidos.
Conforme o ministro Nelson Barbosa, do Planejamento, a cadeia de gás e petróleo, somada à da construção, que representa 15% do PIB, está praticamente paralisada pelas investigações, que agora se estendem também ao setor elétrico, com a ação dessa terça-feira na Eletronuclear. São dados agravantes em um cenário de recessão, que pode fazer com que a economia brasileira recue até 2,5% em 2015. O Brasil colhe os piores resultados dos equívocos da política econômica e da promiscuidade entre setor público, área privada e política. Não é ignorado também o estrago econômico e social das chamadas notícias ruins, o que, no atual contexto, configura uma situação inevitável.
Mas esse é um preço que a nação precisa pagar para recuperar a seriedade e a ética. Para que esse quadro se reverta, o país terá de persistir na apuração dos delitos, não só na Petrobras, e na punição de seus responsáveis, como vem sendo feito pela Lava-Jato. Essa será a notícia positiva que a sociedade espera, para que se produzam outras informações e fatos favoráveis à economia e à imagem do Brasil no Exterior, igualmente fragilizada nos últimos anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário